Qual a sua história?

Todos os textos que aqui escrevo são experiências minhas, me relacionando com os outros, com meus dilemas, com os episódios tortos da minha vida ou desejos ocultos. Mas tem tanto, tanto que eu gostaria de dividir, mas ainda não encontrei a melhor forma de expressar. Se você pudesse entender o que se passa na minha cabeça, poderia se identificar comigo ou se assustar completamente. Mas vamos aos poucos :p


Às vezes, me pego pensando se onde estou é onde quero chegar. E, não, minha inquietude não me deixa parar de sonhar com a próxima etapa ou reviravolta. Sou cheia de sonhos, de planos, de acreditar que o dia de amanhã será melhor que o hoje. Isso não é desesperador, mas muito, muito confortante. Saber que tudo pode mudar em um instante, me deixa certa de que há muito o que viver dentro de mim. Mas, se você me perguntar o que quero, sei que uma resposta não virá de supetão. Sou tão efêmera e tão intensa. Vivo de instantes, mas também de presenças, pouquíssimas e muitos especiais.

E por falar nisso, quando penso em quem venho me transformando, logo me vem à cabeça toda a minha história sendo construída. Um filme passa rapidamente diante dos meus olhos.  Do que tenho consciência ter vivido, são sempre lembranças pouco saturadas e com uma trilha embaraçosa. Fui feliz, mas também tão cautelosa, porque presa dentro das armadilhas que eu mesma construí. Talvez tenha faltado ter sido mais louca, mais desprendida de regras, menos caxias e tão menos pé atrás com tudo e com todos. A vida me parecia perversa demais.

Até a juventude, colecionei poucos sorrisos frouxos, porque o medo de me expressar, e do que as pessoas pensariam da minha atitude, ultrapassava qualquer direito de me sentir feliz publicamente; sobre a forma do meu corpo, foram anos tentando me enquadrar ao que os outros me diziam ser melhor, mais bonito, mais equilibrado. O medo da recusa controlava, até mesmo, minhas escolhas, e me deixou presa a tantas delas também... Porque eu não podia errar, mas tendo feito uma escolha ruim, deveria permanecer nela. Quantas vezes não me envolvi em situações acreditando merecê-las, ainda que me fizessem mal? E quantas outras vezes, presa na minha rigidez, não acabei desmerecendo todos aqueles que me quiseram bem, e me fizeram bem, por achar que eu não merecia, ou mesmo por acreditar que não estavam fazendo o bastante?

Nunca fui de contar amigos para os dedos além de uma mão. Os que permaneceram foram aqueles que entenderam meus abrigos, meus medos, minha distância, minha solidão. Esbarro-me contando meus tropeços, na expectativa de não errar novamente pelos mesmos motivos. Encaro a vida como um desafio que, tantas vezes, me sobrecarrega, me pressiona, me tira o sossego.

Apego-me ao que é complexo, então investigo, reluto, calculo e me desespero. Sou agonia em pele de mansidão. Quero controlar, mas não preciso. Quero tudo, mas o pouco é que me fortalece. Eu sou feita de cacos, sobrepostos, embaraçados, que a vida adulta vare para os cantos para dar conta das obrigações, dos compromissos. Mas tem dia que a gente precisa de uma faxina na alma, e é essa história, tão peculiar, que nos ajuda a lembrar de onde viemos, onde estamos e qual caminho trilhar. Hoje foi esse dia.

5 comentários:

  1. Isso mesmo, seja vc Mesma. Os outros nem importa.

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    Verdade, a gente se priva tanto de tudo muitas vezes pra agradar aos outros que nunca ficam satisfeito. E do contrário acabamos muitas vezes perdendo nossa indentidade por tentar viver a vida que nos impõe.
    Eu vivi Assim por muito tempo, mas hoje não me permito mais viver nesta prisão.
    Não me importo se vão gostar ou não, se vão falar, se não me encaixo nos padrões dá sociedade. Minha vida é só uma é o tempo passa muito rápido pra eu gastar sendo alguém que eu desconheço.
    Amei o texto, me fez relembrar de uma época em que vivia em função de terceiros e foi maravilhoso poder ver o que me tornei e Saber que continuo a evoluir.
    Muito obrigada por me proporcionar esta reflexão.
    Bjs!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por compartilhar um pouquinho da sua experiência comigo! Um grande abraço! Fico muito feliz por sempre vê-la por aqui! :D

      Excluir
  3. Lembro da nossa juventude juntas...vc sempre tão inteligente que se cobrava tanto...mas também lembro das nossas risadas...fico feliz vendo vc bem e construindo história..amo seus posts...Thais

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.